.posts recentes

. Guarda-redes da Selecção ...

. The Beatles - I Me Mine

. Espírito Natalício

. Segunda-Feira!

. Algumas partes do melhor ...

. Concerto Ray Wilson (Ex-G...

. Franz Ferdinand - Lucid D...

. Franz Ferdinand - Campo P...

. João Só e os Abandonados ...

. The Muppets - Bohemian Rh...

. Cabeleireiro

. Bombeiros Voluntários da ...

. Keane - Again & Again

. Pequeno Nikita

. Razorlight - Golden Touch

. Kirchhoff Arctic Set "Stu...

. Sem ideias para um título...

. Futebol

. Quando eles tinham cabelo...

. New Shoes

.arquivos

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.Contador

Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

Vespa 125cc


Desde que entrou em vigor a lei que permite qualquer pessoa com 25 anos conduzir motas até 125cc, meti na cabeça que não seria de todo mal pensado comprar uma Vespa. No próximo ano lectivo até estava a pensar em retomar os estudos, assim iria para a escola de mota e não tinha problemas com o estacionamento.

Aos 15 anos de idade, pedi aos meus pais uma bateria ou uma mota (como eu pensava na altura, achava que era tudo facilidades), claro que nunca me iriam comprar uma mota, logo optaram pela bateria, custou 60 contos.

O pessoal com quem eu me dava naquele ano, eram quase todos do campo e todos tinham motas, a partir daí começou o meu gosto pelas motas. Foi na Salgueirinha que aprendi a conduzir, o meu avô tinha uma Florett de mudanças de punho, foi nessa mota que dei as primeiras voltas e a primeira valente queda.

Tinha combinado com o meu amigo e colega de escola, Bulldog, irmos os dois dar uma volta de mota, eu ia até à Salgueirinha de carro com o meu avô, depois pegava na Florett e ele ia-me mostrar novos caminhos nunca antes percorridos, pelo menos por mim. Ele lá apareceu mais um rapaz que eu não conhecia e lá fomos os três, passámos a linha do comboio da Salgueirinha em direcção à Malhada Alta, eu sentia-me como o Peter Fonda no filme Easy Rider. Meti a 3ª mudança (a mudança mais alta da mota) e atingi a velocidade máxima, talvez uns 50 km/h, ou 60, não tenho bem a certeza, a mota não tinha conta kilómetros, ia numa recta, o outro rapaz, o Luís, faz uma curva apertada para a esquerda, o Bulldog ia mesmo atrás de mim, mas eu ia tão distraído, nem sei no que é que ia a pensar, acho que o meu cérebro parou nesse momento, senti a mota a subir uma barreira e quando dei por mim estava dentro de água. Levanto-me assustado, sem saber bem o que é que tinha acontecido, o Bulldog vem ter comigo, a chorar a rir, escorriam-lhe lágrimas pela cara e diz-me:

- Então não viste a curva pá?

- Não consegui fazer a curva!

- Eia pá, tu não estás bem a ver o teu voo, subiste a barreira e foste cair dentro do "alcaduto" cheio de merda.

- Estou lixado, tens que me ajudar, o meu avô não pode saber que lhe estraguei a mota.

Ele lá me ajudou a tirar a mota de água e tentou meter a mota a trabalhar, só pegava de empurrão e a primeira mudança não entrava. Tirando o susto que apanhei, até estava bem, quer dizer, cheirava mais mal que a Adelaide Ramelosa, fui cair dentro de um "alcaduto", como dizia o Bulldog, com água porca. Não podia ir naquele estado ter com o meu avô, então o Luís levou-me a casa dele, em Vale de Boi (eu nem sabia onde isso ficava) para eu poder limpar-me.

De regresso à Salgueirinha, despedi-me dos meus companheiros e fui ter com o meu avô, deixei a mota no sítio dela, pensando que o meu avô nunca iria dar por nada. Durante o caminho para Coruche, o cheiro dentro do carro não deve ter sido nada agradável, ainda abri o vidro para disfarçar.

Dias mais tarde, fui chamado ao confessionário e tive que contar a minha triste história, a minha avó lá me explicou que não era "alcaduto" que se dizia, era aqueduto, sabia lá eu, ouvia o Bulldog a dizer "alcaduto". Felizmente correu tudo bem, até nos rimos um bocado, mas só eu sei o susto que apanhei, nesse dia, quando cheguei a casa para tomar banho tinha uma patacazita nos boxers.

Hoje em dia, o Bulldog continua um galã, sempre com aquela cara de cão, mas muito bom rapaz. Infelizmente o Luís morreu anos mais tarde num acidente de mota.
Com muita pena minha, mais tarde o meu avô vendeu a Florett, era igualzinha à da foto.


publicado por Ringo às 22:30
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Di a 7 de Outubro de 2009 às 01:49
ahahahahahah não consigo parar de rir lol estou a imaginar o filme todo, mas ao vivo ainda devia ter sido mais engraçado ahaha! O que valeu foi que até deu para rir aos teus avós, porque senão acredita que ouvias das boas!!
Ai ai traquina como sempre!!
De david a 7 de Outubro de 2009 às 09:57
Epa não acredito que foste cair dentro dum alcaduto!
Ainda por cima com o Bulldog, essa personagem. E onde ele mora, nunca pensei que alguém pudesse morar ali...
Belos tempos em que eu ia com o Bucha, Grelo, Chico, Bulldog, tomar banho pó açude do monte barca e acabava sempre com umas brincadeiras giras, como barrelas, deixar o pessoal a pé, etc...
Ganda Floret, o meu pai também teve uma.
De Didi a 8 de Outubro de 2009 às 11:50
Epa de chorar a rir, apesar de já conhecer a historia do alcaduto " vale sempre apena recordar. Abraço
De xana a 9 de Outubro de 2009 às 12:58
pode se dizer que ficaste na merda..lol. opa que história.. o alcaduto..lol
De bulldog a 23 de Abril de 2010 às 19:54
Epa nem sabes o que me estou a rir neste momento, grande historia ainda hoje recordada por mim algumas vezes.
bem parecias o super homem pá... a voar...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links